domingo, 12 de novembro de 2017

Lista de Participantes





A primeira parte do projecto está completa com a existência de voluntários em todas as ilhas.

Deste lado é altura de colocar o papel fotográfico nas "máquinas" e preparar o envio pelos CTT para os seus destinatários.

No destino escolhem-se os locais, agendam-se iniciativas e actividades que em torno destas caixas irão contribuir para estarmos, mais uma vez, mais perto uns dos outros, reconhecendo-nos unidos na diversidade.

Sei que serão dinamizados encontros informais, sei que serão lidos poemas, sei que se ensinará aos mais pequenos coisas como o movimento aparente do sol, a história da fotografia...sei que, tal como uma sopa da pedra começa com uma simples pedrinha, aqui, em torno de uma caixa vazia, iremos conseguir fazer e construir pontes...seja lá para onde for.


sábado, 4 de novembro de 2017

Lumentype em Câmara Escura ou uma lembrança de Talbot


Ao longo destes anos fui colocando neste pequeno espaço, visitado amiúde por uma pequena legião de entusiastas da fotografia espalhados pelo mundo, diversas técnicas e experiências que fui experimentando em torno do conceito de fotografia. 

Procurando o minimalismo, a quase ausência de modernidade, procurei e (procuro!) não afastar-me do essencial, tentando obter e cruzar materiais sensíveis com diferentes tempos e formas de exposição.

Um dos que mais gosto é o Lumentype (ver mais aqui ), pela simples razão que usa papel fotográfico fora de prazo e até exposto (mais barato e acessível) e não necessita de químicos nem de câmara escura para a imagem surgir. 

Digo isto porque,

Hoje, tirando o pós às velhas máquinas que guardo, parei por momentos ver a Ensign Box da Houghton-Butcher Ldt. de cerca de 1930.

colecção do autor.
colecção do autor


Lembrei-me da velha "ratoeira" de Talbot, máquina inicial em que o mesmo colocava papel salgado (solução de sal e solução de nitrato de prata) e deixava durante longos períodos no seu quintal, a absorver a luz e a formar uma imagem, efémera, no seu interior. ( e a sua esposa dizia que eram ratoeiras)

Dizia ele: “the inimitable beauty of the pictures of nature’s painting which the glass lens of the Camera throws upon the paper in its focus—fairy pictures, creations of a moment, and destined as rapidly to fade away."


E assim, lembrei-me de colocar no interior da minha velha máquina uma tira de papel fotográfico e, abrindo o obturador, deixei-a apontada para a rua, para o meu quintal.

Por 3 horas a luz entrou no seu interior e, pouco a pouco, os raios solares foram provocando a sensibilização do papel, formando uma imagem, sem necessidade de revelador (que por oxido-redução, iria ampliar e acelerar o processo)





A imagem que obtive, em negativo, não pode ser fixada, pois a quantidade de luz recebida não é suficiente para, sob acção do revelador, manter-se.
Por isso, para a vos poder mostrar, tive de a digitalizar e depois inverter.



Dando origem à fotografia final.



Veja-se o carro fantasma, que, durante a exposição, sensivelmente a meio, foi retirado do local.


Poderemos ainda, e desde logo, pensar em várias alternativas ainda mais simples:
Uma simples caixa de sapatos com uma lupa em vez de lentes, ou uma lata com um pequeno furo da largura de uma agulha....

Fotografar é conseguir imprimir uma imagem num objecto, usando a luz, durante determinado tempo. Esse tempo é determinado pela luz existente e pela capacidade desse objecto se alterar pela acção da luz.

Mesmo que no mundo a Luz existente se resumisse a uma vela...mesmo assim poderíamos gravar a sua imagem.


Para quem quiser aprender estas e outras técnicas:













sábado, 7 de outubro de 2017

O Convite


Terminada a fase da construção, lança-se o convite aos habitantes de cada uma das 9 ilhas do Açores para que as recebam e captem no seu interior o tempo e o espaço em que vivem.

Aceitas o desafio?



Clique na imagem para saber mais em www.solargrafia.blogspot.com

sábado, 23 de setembro de 2017

A construção das Máquinas #Azores_in_a_can



O projecto #Azores_in_a_can, (a acompanhar em www.solargrafia.blogspot.com), iniciou a fase prática, com a construção das "máquinas".

Este projecto, para além da curiosidade que pode eventualmente merecer daqueles que se dedicam à fotografia, por se basear nos seus princípios mais elementares, poderá ser interessante para a comunidade escolar que nele poderá ver uma forma de abordar assuntos de história, ciências naturais, matemática e claro está de artes.

Os interessados façam favor de aderir à coisa.



sábado, 16 de setembro de 2017

Mozi




Iniciado o projecto de Solargrafia #Azores_in_a_can, foi escolhido o filósofo Mozi, que viveu há 2500 anos, como patrono desta nossa aventura.

Sabe mais aqui

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

#Azores_in_a_Can



Iniciei um projecto antigo: Fotografar as 9 ilhas dos Açores através de uma técnica que, estranhamente, guarda numa imagem, espaço, tempo e luz. Durante os próximos meses serão construídas câmaras escuras com recurso a materiais que estavam no lixo, sendo depois enviadas para os nossos amigos espalhados pelos Açores. Depois....depois.....vão acompanhando aqui (www.solargrafia.blogspot.com).

segunda-feira, 20 de março de 2017

Formação em Processos Alternativos - Lisboa

Fotografia Pinhole de Barcelos, obtida com uma lata de sardinhas


Para todos os que pretendem aprender mais um pouco sobre os processos alternativos que aqui se vão relatando, informo-vos que até julho estarei por Lisboa e, obviamente, disponível para dinamizar qualquer iniciativa que pretendam levar a cabo nesse sentido.

Como construir uma máquina fotográfica com caixas de cartão e latas velhas?
Como revelar uma fotografia com detergente da roupa e café?
Como fazer uma fotografia com sumo de plantas?
Como gravar o movimento do sol, numa fotografia, com uma caixa de sapatos?

Estes e outros mistérios sempre à volta de uma boa conversa, onde todos aprendemos.

domingo, 22 de janeiro de 2017

De novo



De repente passou um ano. E quando menos esperava, encontro-me, de novo, à beira-rio, com uma caixa de cartão.

quinta-feira, 31 de março de 2016

Elaboração de um Cianotipo














O ficheiro em pdf pode ser descarregado aqui .
A distribuição e impressão  é permitida desde que referida a origem.

O livro  de 1899 ( Ferric & Heliografic Processes) pode ser descarregado aqui.


Tenho cerca de 10 folhas que sensibilizei desta forma guardadas no laboratório. Algumas irei utilizar em experiências das quais darei notícias neste espaço. Outras serão para oferecer a quem demonstrar que as usará em prol da comunidade.


Quem morar na Ilha Terceira pode marcar um café que eu levo uma folha para uma hora de conversa.




segunda-feira, 21 de março de 2016

Formação em Cianotipia



Lanço o desafio a quem pretender aprender-fazendo a técnica chamada de Cianotipia.

Processo antigo, descoberto pelo astrónomo Herschel em 1842, produz, ou permite produzir, belas imagens que aliam técnica a arte.

Folhas, negativos, objectos...tudo pode concorrer para a criação de "fotografias" em azul da Prússia.

Neste workshop, a realizar na data que os inscritos escolherem e no local que preferirem, iremos abordar sucintamente a história da fotografia, criar as emulsões sensíveis, sintetizar os materiais e, com os objectos que trouxermos ou encontrarmos, iremos criar imagens tal como Herschel fez há quase 200 anos.

Todos os participantes levam para casa os originais, e todos os materiais estão incluídos, nomeadamente folhas Canson, Químicos, Trinchas, Pincéis....

Será dado um diploma de participação no final.

Aconselha-se roupa casual.

Será dado um curso a cada duas inscrições, sendo possível apenas e no máximo em cada sessão 4 grupos.

As crianças não pagam desde que acompanhadas de um adulto inscrito.

Famílias que queiram integrar apenas um grupo (produção de uma imagem) pagam apenas uma inscrição. ( Pai, mãe, filhos, avós, netos, podem constituir-se num grupo e apenas pagam uma inscrição).





terça-feira, 27 de outubro de 2015

Nautilus no Museu de Angra do Heroísmo

Ficam aqui as fotografias, obtidas pelo Museu de Angra do Heroísmo, por ocasião do Workshop Nautilus.

Todos os direitos sobre as mesmas pertencem ao Museu de Angra do Heroísmo.


As fotografias obtidas encontram-se na postagem anterior.






Breve apresentação do Workshop.



Transformação das Câmaras Pinhole





Elaboração do Revelador à base de Vitamina C e Carbonato de Sódio






Saída para fotografar e elaboração de um fotograma por escurecimento directo, salvando uma "abertura excessiva" de uma câmara pinhole








Lavagem das fotografias reveladas









 Os olhos....e viva Mozi!

domingo, 25 de outubro de 2015

O Olho de Nautilus 2



Partindo de uma caixa vazia podemos construir toda uma história que nos enriquece.

Hoje, tal como noutras tardes peguei nas latas, pós, copos graduados, restos de cola e de cartolina e lá parti para o Museu de Angra para dinamizar um pequeno encontro de jovens e seus pais e educadores à volta do tema do Olho e a Fotografia Pinhole.

Sala composta, gente interessada e que respondia com sincero sorriso ao nosso olhar. Gostei.

Gostei da partilha, do que levei e do muito mais que trouxe.

Este pequeno video é o conteudo integral dos "slides" que me iam orientando.

Sobre o que se fez, podem procurar neste blog sobre fotografia pinhole, lumentype, revelador alternativo.

Hoje alterei um pouco os procedimentos e deixei o caffenol passando a fazer um revelador apenas à base de Vitamina C  (colher e meia de sopa), carbonato de sódio (três colheres) e 1 litro de água. Não porque o caffenol não seja um bom revelador, mas porque assim tenho um revelador alternativo, biologico e transparente que permite uma melhor visulaização do processo por todos.

Obrigado a todos e todas!