quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Fingir com tanto amor



Foto de Miguel Bettencourt, ao Ricardo Ávila, re-interpretada com a sua autorização.




Já andei por muito lado. 
...conduzindo nas planícies do Alentejo com 40 graus à sombra, sedento.
...fugindo nas ruas do país Basco, cantando de noite, embriagado,
...conduzido nas estradas que vão dar a Paris, iniciado.
...cruzando o oceano, esperando renascer.
...transpondo os portões de Struthof, assustado, com um regressso.
...escondendo-me, nas esquinas de ChinaTown Londrina, abismado.
...perdido nos corredores de um parlamento, en(o)joado.
...sozinho comigo mesmo, adormecido.


Já falei com muita gente.
...canalhas que vender(i)m Cristo.
...poderosos que (nos) vendem.
...anjos perdidos,
...amigos que, sem reparar, sempre estiveram
...mulheres, que se esqueceram de o ser,
...irmãos que o são.
...irmãos que o não são.


Mas nunca vi um mimo fingir com tanto amor.





Enviar um comentário