domingo, 23 de novembro de 2008

Locais III

Igreja do Carmo
Panorâmica obtida através de duas Fotografias Pinhole


Esta é a Igreja do Carmo, situada em Beja.

No fim de Tarde, e já de regresso a casa parei por uns momentos, tentando aproveitar a luz já fraca.

Apontei a lata de rebuçados e tirei duas fotografias, as quais uni com o Photoshop a fim de obter uma imagem panorâmica.

O Carro que está mesmo em frente à máquina surgiu ali na pior hora.

Para além de ter tapado um pouco a vista, senti algum desconforto quando os olhares de quem dele descia, pareciam procurar nos meus uma justificação válida para o facto de estar com uma lata preta, cheia de fita-cola, parado no passeio, a olhar para uma igreja, a contar até trinta.

Sorri. E eles riram.


Adiante.

Esta Igreja é actualmente usada como Igreja da Paróquia de São João Baptista.

E porquê?

Vejam o post sobre a Travessa do Cepo ( Locais I), e reparem que em 1920 foi derrubada a Igreja de São João Baptista, que se situava junto ao Teatro Pax-Julia.

Era essa a Igreja Paroquial da Freguesia.

Tentei saber a data da sua fundação, não o descobri.

Contudo deixo um dado interessante...

Em 1808, na Véspera de São João Baptista, o Povo de Beja revoltou-se contra o exército Francês.

Resultado: Massacre da Cidade!

Os Franceses fazem soar, junto ao Bairro das Alcaçarias o toque da degola e entram por Beja a dentro através da Porta de Aviz...

No final ainda há tempo para executar alguns (mais de mil) Bejenses junto à Igreja do Carmo, num terreno baldio, tendo sido aberta uma vala comum.

Se os corpos já foram inumados, se o local da vala é conhecido...não sei.

Sei que o massacre foi tão forte que os Franceses chegaram a afirmar no dia seguinte: Alentejanos: Beja Revoltou-se, Beja já não existe.

Parece que esta Igreja está desde há muito ligada a São João Baptista... Se acreditasse nestas coisas diria que São João Baptista quis de alguma forma honrar os mártires de 1808...promovendo ( ou permitindo) o derrube da sua Igreja em 1920, a fim de ser esta a sua Igreja Paroquial... Mas como não acredito... Seria o mesmo que afirmar que Judas....

Aqui fica o mapa de 1890, em que se vê a Igreja do Carmo ( canto superior esquerdo) já fora do perimetro da Cidade. Qual seria o terreno baldio? Parece óbvio.





Enviar um comentário