segunda-feira, 10 de agosto de 2009

não, não creio

Fotografia : Pedro Horta



Não, não creio

num mundo a preto e branco,

em que tudo se resuma a ser ou não ser.

Como se a vida fosse um qualquer interruptor.

Não, não creio

no absurdo,

seja ele místico ou cientifico.

Como se tudo tivesse sequer que ter sentido.

Não, não creio

na imensidão do Universo,

em contraponto à pequenez do Homem.

Não existe nada mais belo que o sorriso de uma criança.

Não, não creio

no dogma,

que tudo explica convenientemente.

Como se alguém pudesse compreender e mandar no mundo do outro.

Não, não creio

que haja um só mundo.

normalizado e igual para todos.

Como se o mundo existisse só por si, não também como é sentido.

Por isso não creio num mundo a preto-a-branco.

Como se só houvesse terra e céu.

Enviar um comentário