segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O trabalho e a Obra

Há já algum tempo que procurava esta velha gravura.


Há dois dias, quando procurava imagens para decorar o meu laboratório, encontrei-a num site enviado por um daqueles Mestres, que parece que adivinha as coisas...


Não sei o nome, nem do autor nem da Obra, mas gosto dela.


Extrai-lhe, há alguns anos, um determinado sentido, que ainda hoje me parece adequado.


Retrata um "alquimista" que na ânsia de transformar o chumbo em ouro, gastou todas as economias da sua pobre esposa ( e dele, claro está).

A bolsa caída....


O lamento da esposa...


A facis revelando a avidez do "filosofo"...

A última moeda depositada no cadinho...

Um manuscrito contendo , qui çá , o plano da Obra Alquimica...


Obviamente que estamos perante um alerta sério para todos os aprendizes de Alquimista...


Mas não só.

Não nos devemos esquecer que o destino, contém em si, o percurso.

Não é possível, conforme nos diz o quadro desta postagem, realizar a Grande Obra, simbolo de pureza, perfeição, harmonia, entendimento perfeito do Universo, se formos motivados pela avidez, pela busca do metal.

Tal só nos trará apenas miséria.

Da mesma forma ensina-nos que podemos medir a obra pelo criador

Da mesma forma explica-nos que entre os fins e os meios existe uma relação indissociável, não nos sendo possível definir um sem o outro.

Pensemos nisto quando por vezes ataviamos caminho, pensando que assim chegamos mais depressa.

É que o destino...nada mais é do que o fim do caminho
Enviar um comentário